PT e PMDB se unem por aumento dos ministros do STF

Hícaro Teixeira – 30.08.2016

O embate entre PT e PMDB parece que é só na frente das câmeras. Quando o assunto é do interesse de ambos, a briga é deixada de lado. Acontece que os dois se uniram para aumentar os salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Se aprovado, o salário dos ministros do STF passaria de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil.

Valdir Raupp (RO), senador peemedebista, e ex-presidente do partido apresentou um relatório defendendo a aprovação do aumento.

A votação sobre o reajuste, no entanto, foi adiada semana passada na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal, pois o PSDB e DEM, aliados da base do governo de Michel Temer, foram contrários.

O texto já foi aprovado na Câmara dos Deputados, durante o final do mandato de Dilma Rousseff. Mas no Senado, o relator do texto, senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) apresentou relatório contrário ao aumento.

Ronaldo Caiado, líder do DEM, ameaçou, inclusive, abandonar a base por causa desse projeto.

A oportunista, Marina Silva, agora apoia o impeachment  

Hícaro Teixeira – 26.08.2016

Marina Silva, líder do Rede, decidiu apoiar o impeachment. Tarde demais. Tentou usar seu oportunismo como tática de última hora e acabou perdendo o último vagão do trem da história.

Já era.  Marina jamais será esquecida por ter tentado anular o impeachment por meio do Supremo Tribunal Federal.

Ela mandou o Rede enviar um documento para o STF cassar o Eduardo Cunha e anular todas as decisões que ele tinha tomado quando estava na presidência da Câmara – inclusive o processo de impeachment. Ela queria as novas eleições, pois era a sua única chance de tentar a presidência.

Como eu sempre repito: plantar árvores e sementes não resolverá os problemas econômicos do país. O Brasil está cansado desse papo verde.

Marina se aliou com o Requião Filho, que concorrerá à campanha da prefeitura de Curitiba. É bom lembrar que, o Requião Pai, é um petista dentro do PMDB, um soldado da Dilma, contrário ao impeachment.

Pós impeachment: Temer precisa governar para o Brasil

Hícaro Teixeira – 22.08.2016

Acabaram as Olimpíadas, e a política voltou para o centro do palco. Agora será discutido o impeachment da Dilma Rousseff, dado como certo pela nova base governista, que conta com 60 a 63 votos favoráveis.

Passando essa tempestade, que desgastou o país por um ano e meio, Michel Temer e sua equipe econômica terão que focar em cortes de gastos profundos e não em soluções mágicas, como esperam alguns parlamentares.

É como no nosso dia a dia, quem não economiza ou não tem um limite de gastos, fecha com as contas no vermelho. Na economia não existe uma fórmula especial ou outro caminho.

Temer precisa governar para o Brasil, evitando pressões de alguns poderosos de dentro do Congresso e de grupos de interesses.

O período de governo é curto. São dois anos e meio. A missão será fazer uma reforma para corrigir a previdência – um dos grandes gargalos do país, que prejudica o PIB e a geração de empregos, provocando um déficit de R$ 200 bilhões.

Para aliviar a situação, o governo anunciou que não aumentará os impostos, então o que resta, para a solução, é um amplo processo de privatização, que será saudável para economia, que além de fazer caixa para estancar o déficit fiscal, modernizará o país, e também vai gerar mais empregos.

É preciso colocar o país na rota de crescimento, abrindo, de fato, o mercado. Temer não tem o direito de errar e insistir em ideias antigas – que nunca funcionaram. Acabou o período de bater na mesma tecla.

O politicamente correto quase fez o Brasil perder uma medalha

Hícaro Teixeira – 16.08.2016

A onda do politicamente correto quase prejudicou a seleção brasileira de ginástica artística nas Olimpíadas, levando o Brasil a perder uma medalha. Um vídeo postado por Arthur Nory em sua conta no aplicativo Snapchat, mostra uma brincadeira entre ele e os atletas durante a refeição, em que Ângelo Assumpção pega uma comida do prato de Nory e em seguida o rapaz devolve uma “piada negra” para o atleta. Como isso foi publicado na internet, logicamente, o setor de esquerda da imprensa aproveitou para provocar um terremoto classificando a piada de “cunho racial”.

“Seu celular quebrou: a tela quando funciona é branca… quando ele estraga é de que cor? (risos)”, pergunta Nory.

“Preto!”, dizem outros atletas que não podem ser identificados na imagem. E eles seguem: O saquinho do supermercado é branco… e o do lixo? É preto!”.

O vídeo viralizou na internet. Depois de repercutir, Nory e os demais atletas gravaram um vídeo pedindo desculpas ao lado de Assumpção, dizendo que era uma equipe e que a brincadeira teve uma proporção muito grande e negativa, e ainda comentou que a imprensa estava repercutindo para ter matérias.

O rebuliço deveria ter terminado nesse último vídeo dos atletas se desculpando. Mas acontece que Ângelo Assumpção quis ganhar imagem com a repercussão, cortando amizade com Arthur Nory. Os atletas também receberam 30 dias de suspensão da CGB. Um inquérito foi instaurado para apurar as acusações de injúrias raciais, mas o caso não foi adiante. A Justiça não enxergou motivos.

Se Assumpção sentia-se incomodado com as brincadeiras feitas pelos colegas, poderia ter dado um basta o mais cedo, ou ali durante a refeição deveria ter se levantado. Nory e Assumpção tinham anos de amizade, e por causa de uma brincadeira que foi repercutida pela mídia como “injúria racial”, ele acabou rompendo a relação por ter escolhido o papel de vítima e por seguir o sentimento das pessoas.

Essa onda do politicamente correto faz os negros virarem objetos frágeis, que podem cair no chão a qualquer momento se as pessoas não tiverem cuidado. Isso reforça o racismo – pois daqui a pouco as pessoas irão se afastar dos negros.

 

Conhece a estatal Cobra Tecnologia? Ela tenta produzir computador nacional e gasta R$ 12 milhões aos cofres públicos

Cobra-Tecnologia-S.A-divulga-edital-para-níveis-médio-e-superior

Hícaro Teixeira – 10.08.2016

O Estado brasileiro é tão inchado, que existe até hoje uma estatal criada nos anos 70 para desenvolver computadores brasileiros: a Cobra Tecnologia, braço do Banco do Brasil. A empresa pública conta com um quadro de 5.385 funcionários (terceirizados e servidores públicos) e tem um quadro de gastos que chega a R$ 12.883.533,53. A receita da estatal é de R$ 26 mil.

Logicamente, a empresa nunca teve sucesso. Um dos únicos computadores produzidos foi o Cobra 210.

A estatal foi comprada pelo Banco do Brasil, e em 2012 passou a prestar serviços tecnológicos e suporte ao banco.

Em um momento drástico de crise econômica, este blog recomenda a privatização da empresa, que até hoje nunca prestou um serviço útil à tecnologia.

Abaixo segue os gastos:
quadro

Hater: gente chata e anti-capitalista que critica o Pokémon Go

Hícaro Teixeira – 07.08.2016

Não se trata mais de divergência política ou discussão de direita e esquerda, e sim de gente chata mesmo. Quando o Pokémon Go chegou ao Brasil, começou uma onda de críticas vazias.

Primeiro disseram que estávamos virando escravos da tecnologia dos americanos imperialistas. Depois vieram com a história de que isso foi um golpe para as operadoras de telefonia lucrarem. Ou que o jogo está deixando as pessoas “alienadas”.

Muitos alegam também que você pode ser assaltado. Sim. Em qualquer lugar isso pode acontecer, até mesmo dentro de casa. A dica é não ficar que nem um zumbi dando mole na rua com o celular para o alto atrás de Pokémons. Tem como configurar o jogo para o celular vibrar quando tiver um Pokémon em sua proximidade.

Lembro que nos anos 2000, quando eu assistia o desenho animado, começou um boato de que o raio do Pikachu fazia as crianças ficarem paranoicas e sonharem com o capeta.

Não é porque você tem preguiça de aprender a jogar ou não está gostando da explosão do jogo no noticiário, que deve interferir na liberdade das pessoas. Deixa cada um fazer a sua escolha. O mundo está muito chato já. Não piora as coisas.

A recepção que tivemos no país foi muito autoritária e anti-capitalista, e ela explica um dos motivos de sermos um dos últimos a receberem o Pokémon Go no Brasil. Por isso que empresários não tem a mínima vontade de investir aqui.

Lula deu um golpe no próprio PT

Hícaro Teixeira – 05.08.2016

Grupos internos do PT afirmam que há “um risco de ruptura no partido” depois de deputados petistas terem apoiado a eleição de Rodrigo Maia do DEM à presidência da Câmara – “um golpista”, segundo eles.

“É completamente contraditório com o movimento “Fora Temer” as posições que defenderam apoiar a candidatura de Rodrigo Maia. Mergulhar numa dinâmica de negociações com o governo Temer ou sua base política significaria enterrar definitivamente a luta pela sua derrubada”.

Agora esses grupos terão que sustentar a própria criatura que ordenou o apoio a Maia: o ex-presidente Lula.

(Com informações do Estadão)

PT e Marina foram enterrados por defenderem novas eleições

Mariiina

Hícaro Teixeira – 05.08.2016

A desaceleração da agonia econômica e o estancamento da crise política apontam que o impeachment foi a melhor decisão tomada pelo país, e enterra a tese das novas eleições, defendida por Marina Silva e comprada pelo PT.

Até aqui, o governo de Michel Temer vem fazendo o dever de casa.

Mesmo com o agravamento da crise no país, momento de tensão que exige união das principais lideranças, Marina se preocupou somente com o seu nariz – apresentando-se como a única saída para a resolução do problema. E se deu mal.

A tese furada das novas eleições era só uma forma do PT e a esquerda voltarem ao poder. Era o mais do mesmo.

E claro: Marina desapareceu mais uma vez.