Alckmin é citado na lista do Fachin. Bom para Doria

Hícaro Teixeira – 12.04.2017

Cada vez mais o sonho de Geraldo Alckmin de concorrer à Presidência está longe. As portas se abrem mais para João Doria, prefeito de SP, que até aqui tem tido um tom de presidenciável. Acontece que o governador de São Paulo, foi citado na lista de Fachin por usar o cunhado, Adhemar César, a pegar R$ 10 milhões do setor de propinas da Odebrecht, segundo delatores.

Alckmin nega. “Jamais pedi recursos irregulares em minha vida política, nem autorizei que o fizessem em meu nome. Jamais recebi um centavo ilícito. Da mesma forma, sempre exigi que minhas campanhas fossem feitas dentro da lei”.

Doria é a única alternativa para o PSDB. Nem preciso mencionar o Aécio, né?

Pela renovação da política brasileira

Hícaro Teixeira – 29.09.2016

A cidade de São Paulo, palco das maiores manifestações do país favoráveis ao impeachment, terá a chance de dar o pontapé inicial na renovação da política brasileira. Pode ser uma virada de página que influenciará o modo de governar no Brasil.

Pela primeira vez, um candidato resolveu vestir como discurso as ideias dessa nova geração, que clama por práticas adotadas em países desenvolvidos – como o liberalismo econômico, onde a sociedade de mercado é a chave do crescimento e da prosperidade.

“Não sou político, sou um administrador, sou um empresário, sou gestor”, ressalta João Dória, candidato do PSDB, que está em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto à prefeitura de SP.

No establishment político, Dória surge como uma novidade. Sua presença implodiu o ninho tucano. A velha guarda do PSDB ligada a esquerda se agoniza como se tivessem jogado inseticida no ralo. A partir daí deu para notar uma verdadeira renovação no quadro do PSDB, com o nascimento de uma direita liberal no partido.

Andrea Matarazzo, um tucano antigo que foi ex-ministro de FHC, saiu do partido depois de perder as eleições internas, acusando Dória de abuso de “poder econômico”. Choro de perdedor. Ele ainda afirmou que a esquerda passaria raiva com o Dória. E que passe bastante! Indica que SP está em um bom caminho. Outro nome dentro PSDB que vem tentando sabotar a campanha do tucano é Alberto Goldmann, ex-governador de São Paulo, que ataca o Dória dizendo que ele “é uma desgraça no PSDB”.

Até aqui, Dória não teve medo de dizer a verdade. Pretende fazer as reformas que a cidade necessita. Primeiro cortando secretarias e reduzindo para 20. Sem medo das palavras demonizadas pelo o PT, o tucano afirmou que vai privatizar o Pacaembu, Interlagos, Anhembi, os corredores de ônibus – deixando na mão da iniciativa privada, uma ação que não vai trazer custo aos cofres públicos, e que a cidade vai sair ganhando com a modernização. A venda desses locais pode gerar um bom caixa para investir na saúde, educação e creches. E sim, não é difícil de haver esse investimento, pois o Dória é conhecido pelo setor que produz o PIB do país.

Ele também vai acabar com o programa Braços Abertos, ideia “mirabolante” do petista Fernando Haddad, que deu dinheiro para usuários de crack, achando que seria uma forma de combater a droga. Pior: a cracolândia que era só uma, aumentou para seis. E os traficantes ainda aumentaram o preço do crack. E Haddad ainda culpa o governo Alckmin por “falta de policiamento”. E o principal: aumentará a velocidade nas vias “sem ampliar riscos”, reduzidos na gestão petista – que acabou atrapalhando 3,5 milhões de pessoas no trânsito nas marginais Pinheiros e Tietê. Essa é a razão do slogan “Acelera SP”.

Agora o que não dá para entender é essa mentalidade que temos no Brasil, de que um homem rico e bem sucedido, que chegou lá com o suor do seu trabalho, “não pode ser um prefeito”. Há um preconceito bobo. Prefiro alguém assim, do que um político que comprou um tríplex no Guarujá com dinheiro roubado de empresa pública. Isso é cafona.

Em um momento de desemprego gritante atingindo 13 milhões de pessoas, uma gestão que busque fortalecer o ambiente de negócios em São Paulo, facilitando a vida do empreendedor que gera e socializa riquezas, é fundamental para o crescimento do país.

Esse é o momento de parar de insistir em ideias intervencionistas e antigas, que nunca deram certo em nenhum lugar, e sim adotar bons exemplos. João Dória pode ser a melhor opção para influenciar o país.