Não existe governo com uma única linha de pensamento

Hícaro Teixeira – 01.05.2017

Na prática política não se governa somente com uma linha de raciocínio. Também não se administra uma empresa com uma opinião. É preciso haver divergência, pois a partir daí pode se construir ideias mais consistentes do que uma opinião primária.

Se tratando de política é algo ainda mais profundo. Me aponte algum político ou gestor que tiveram sucesso sem ouvir outras ideias. Nenhum. Geralmente quem quer passar por cima de tudo com um trator, está fadado ao fracasso. Ou passa a alimentar um projeto de governo autoritário e ditatorial.

Cuba é um exemplo de sucesso por ter uma administração com um único pensamento.

Em um governo ou até mesmo num projeto de candidatura é preciso haver duas vozes: o SIM e o NÃO. Elas farão com que o trabalho tenha equilíbrio. Quem quer se pautar somente pelo SIM,  vai ter uma condução desastrosa. Pode até dar certo no começo, mas depois entra em declínio, pois haverá momentos que lhe cobrará o NÃO.

Aqui no Brasil, foi o petismo que criou o conceito de “governar para os meus” e tratar os demais brasileiros como “eles”. Ou passar a considerar como “inimigo” aquele que discorda da sua opinião. Esse é um dos sintomas do populismo, doença que tem feito muito mal à nossa democracia.

E quem disse que essas práticas estão sendo feitas somente pela esquerda? A “direita” que tanto criticou o petismo vem copiando de forma impecável a mesma conduta. Ela simplesmente está se tornando quem ela tanto criticou. Desconfie daquele político que quer adotar somente uma linha de pensamento sem dialogar com outros setores.

Geralmente é o tipo de político que desqualifica tudo que o outro governo faz, mas nunca apresenta sugestões para melhorar determinado projeto – pois ele pensa em fazer oposição para capitalizar em cima do adversário.

É certo de que estamos em um momento natural da democracia em que necessitamos de alternância no poder, afinal, foram 13 anos de governo petista. O Brasil precisa de novas ideias. No entanto, quando alguém quer chegar no poder sem dialogar com outros setores, desconfie.

Ninguém chega em um governo sozinho; sem apoio político, sem base. Sem apoio da imprensa. Sem apoio artístico. Sem opiniões.

Na política é preciso governar para todos.

Deputado tucano quer R$ 3 bilhões para partidos políticos

marcos-pestana-foto-george-gianni-psdb-1

Hícaro Teixeira – 03.11.2016

Às vezes me pergunto se realmente alguns deputados estão preocupados com essa crise, ou se é apenas um jogo de cena para conquistar poder. Me deparei com o projeto do deputado tucano Marcos Pestana (PSDB-MG) que prevê financiamento de campanha com recurso do Imposto de Renda.

O mais engraçado é o slogan do projeto parece que foi criado pelos marqueteiros do PT: “Fundo de Financiamento da Democracia”. Usam um nome bonito apenas para dar cores de democracia. Mas esse projeto é um verdadeiro escárnio.

O tucano defende o financiamento exclusivamente público. Ele quer que 2% desse dinheiro saia do bolso do contribuinte para financiar campanha do partido. Mesmo a sociedade pagando imposto, ela já não tem retorno nos serviços, e o cidadão ainda terá que bancar campanha política? Eu pensava que o Pestana era um deputado sério, mas ele está brincando com a cara do povo.

Anualmente, essa brincadeira custaria em torno de R$ 4 bilhões. E esse fundo teria uma divisão: FFD de Preferência Partidária e FFD Geral. No Fundo Geral, 5% iriam para todos os partidos para ser distribuído fraternalmente, e no caso da FFD Preferência Partidária, 95% ia para o segundo desempenho da sigla na disputa anterior na Câmara dos Deputados. Nesse caso, o dinheiro vai para o PT. Como assim? Um tucano defendendo doações de dinheiro público para os petistas? Não posso crer.

PT e PMDB se unem por aumento dos ministros do STF

Hícaro Teixeira – 30.08.2016

O embate entre PT e PMDB parece que é só na frente das câmeras. Quando o assunto é do interesse de ambos, a briga é deixada de lado. Acontece que os dois se uniram para aumentar os salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Se aprovado, o salário dos ministros do STF passaria de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil.

Valdir Raupp (RO), senador peemedebista, e ex-presidente do partido apresentou um relatório defendendo a aprovação do aumento.

A votação sobre o reajuste, no entanto, foi adiada semana passada na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal, pois o PSDB e DEM, aliados da base do governo de Michel Temer, foram contrários.

O texto já foi aprovado na Câmara dos Deputados, durante o final do mandato de Dilma Rousseff. Mas no Senado, o relator do texto, senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) apresentou relatório contrário ao aumento.

Ronaldo Caiado, líder do DEM, ameaçou, inclusive, abandonar a base por causa desse projeto.

Lula deu um golpe no próprio PT

Hícaro Teixeira – 05.08.2016

Grupos internos do PT afirmam que há “um risco de ruptura no partido” depois de deputados petistas terem apoiado a eleição de Rodrigo Maia do DEM à presidência da Câmara – “um golpista”, segundo eles.

“É completamente contraditório com o movimento “Fora Temer” as posições que defenderam apoiar a candidatura de Rodrigo Maia. Mergulhar numa dinâmica de negociações com o governo Temer ou sua base política significaria enterrar definitivamente a luta pela sua derrubada”.

Agora esses grupos terão que sustentar a própria criatura que ordenou o apoio a Maia: o ex-presidente Lula.

(Com informações do Estadão)

O aparato ideológico nas universidades

 

cdg20160609013_wRAr4Cv

Hícaro Teixeira – 18.07.2016

O primeiro caso foi na Universidade de São Paulo (USP) com um professor que teve a aula interrompida duas vezes por alunos “grevistas”, de grupos de radicais da esquerda, que promovem o “trancaço”. Até força física o professor fez para tirar o grevista de sala. O segundo caso ocorreu na Unicamp, onde outro professor foi impedido de entrar em sala e ainda sofreu agressões como empurrões, joelhadas e xingamentos. Digo logo que essa história de “trancaço” é caso polícia.

Mesmo diante dessas atrocidades, as reitorias de ambas as universidades não têm tomado nenhuma posição. Essa falta de providência explica o nível do aparelhamento ideológico nos espaços acadêmicos, tanto entre professores e alunos engajados num projeto de poder, consequência da doutrinação de correntes de esquerda ligadas ao PT, PSOL, PCdoB.

Essa influencia ideológica nas universidades começou em 1970, período do regime militar, com o livro de esquerda Os Aparatos Ideológicos do Estado, do filósofo franco-argelino Loius Althusser. O que também fez a cabeça de professores e estudantes foi o livro Os Conceitos Elementares do Materialismo Histórico da professora chilena Marta Harnecker Cerdá. Ela foi ex-assessora de Hugo Chávez de 2002 e 2006 e também participou do governo de Salvador Allende.

Professores não respeitam a opinião dos colegas que tem posições diferentes, e além do mais, nos cursos de humanas, passam conteúdos recheados de marxismo, sem mostrar o outro ponto de vista. Passei por isso no curso de jornalismo, onde era humilhante ler Veja.

Alunos e grupos de esquerda perseguem e zombam de quem tem outro ponto de vista, que é o caso da aluna na Universidade de Brasília (UnB) que defendia o liberalismo. Outro aluno que defendeu a monarquia, no mesmo espaço acadêmico, foi agredido com socos.

Cabe agora ao Congresso e o Ministério da Educação discutirem sobre as falhas deixadas pelo aparelhamento nas universidades. Esse é o momento de ser debatido o projeto de lei do programa “Escola Sem Partido”.
Nada contra professores terem suas ideologias.

Estamos numa democracia e a liberdade de cátedra precisa ser respeitada. Mas é preciso respeitar o direito de escolha do aluno e ter responsabilidade ao passar o conteúdo mostrando os dois lados da moeda.

A PF bateu na porta do diretor do site Brasil 247

Brasil247

Hícaro Teixeira – 23.06.2016

É… Quem planta vento, colhe tempestade. Leonardo Attuch, diretor do site Brasil 247, foi levado a depor coercitivamente na sede da Polícia Federal, em São Paulo, na manhã dessa quinta-feira (23).

De acordo com o andamento da 31ª fase da Operação Lava-Jato, Attuch recebeu R$ 120 mil da Jamp, a empresa do lobista Milton Pascowitch. O que também comentam nos bastidores, é que a PF encontrou outras sujeiras envolvendo o jornalista.

Dilma Rousseff, antes de ser afastada com o impeachment, também firmou um contrato de R$ 2,1 milhões com o Brasil 247.

Maria do Rosário defende a cusparada de Zé de Abreu e Jean Wyllys

No Twiiter, a ex-ministra dos Direitos Humanos tenta justificar o erro cometido por Zé de Abreu e Jean Wyllys

13043670_957635884331924_2386922096124192653_n

Hícaro Teixeira – 25.04.2016

Em mais uma tentativa de justificar os erros da esquerda festiva, a deputada Maria do Rosário (PT-RS) tentou defender Zé de Abreu e Jean Wyllys no Twitter.“Quem reage a agressão Ñ planeja como agir, quem agride sim. Respeite e serás respeitado”.

Então quer dizer que mulher que apanha de estuprador deve respeitá-lo?